D. Pedro II, Ser ou não Ser

FICHA TÉCNICA
Autor Francisco Doratioto
Título D. Pedro II, Ser ou não Ser
Editora Cia das Letras
Cidade São Paulo
Ano 2007
Número de páginas 277
Prefácio: não há
Posfácio não há
Tradutor não há
Descrição física completa: Brochura, páginas costuradas, alta qualidade de papel e impressão, imagens impressas em preto e branco em papel apropriado.
R$ 39,00
Fonte de consulta do preço: Livraria Cultura

Categoria da obra:
Ficção ( ); Não-ficção ( x ); Referência ( )

Público-Alvo:
Leitor Iniciante( ); Leitor Médio ( ); Leitor Avançado ( x )
Observações: Este título de José Murilo de Carvalho é uma biografia de D. Pedro II. A erudição do autor que neste título se debruça sobre tema de sua especialidade, o Segundo Reinado Brasileiro, é facilmente perceptível por toda a elaboração, além disso para o entendimento completo do texto, há a necessidade de pré-requisitos a respeito da História do Brasil e da História Geral, especialmente sobre o período destacado, o século XIX.

RESUMO
Em D. Pedro II, Ser ou não Ser José Murilo de Carvalho mergulha na vida de D. Pedro II. O cotidiano deste monarca brasileiro, que com 5 anos de idade já tinha sobre suas costas o peso do governo, é cuidadosamente retratado pelo autor.
Questões de governo, assim como outras nacionais e internacionais são paralelamente colocadas aos temas particulares como a relação com seus pais, seus filhos, sua esposa, seus orientadores e amigos, além de sua amada amante, a condessa de Barral.
Um estudo aprofundado de suas cartas e diários, relacionados a conteúdos gerais da História do Brasil e do mundo, dão a esta elaboração de José Murilo de Carvalho um tom de profundidade, permitindo a seus leitores a informação detalhada a respeito dos temas relevantes do segundo reinado brasileiro, e também, a respeito de momentos diretamente anteriores e posteriores, como a Regência e a Abdicação de D. Pedro I (pai de D. Pedro II) e a proclamação da República em 1889.

FRASE DO NARRADOR “Tenho espírito justiceiro, e entendo que o amor deve seguir estes graus de preferências: Deus, humanidade, pátria, família e indivíduo. (…) Nasci para consagrar-me às letras e às ciências, e, a ocupar posição política, preferia a de presidente da República ou ministro à imperador. Se ao menos meu Pai imperasse ainda estaria eu há 11 anos com assento no Senado e teria viajado pelo mundo.” P 77- Auto Retrato, palavras de D. Pedro II.

TEXTO NARRATIVO
D. Pedro II, Ser ou não Ser é um título que faz parte da coleção Perfis Brasileiros, onde se encontram diversas biografias de figuras relevantes da política e da História do Brasil. Todos os títulos são escritos por destacados intelectuais da área, como acontece também neste caso sendo este título escrito por José Murilo de Carvalho, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Um aprofundado estudo dos arquivos oficiais e pessoais da família Real Brasileira, especialmente do Museu Imperial de Petrópolis, possibilitou a elaboração desta Biografia.
A obra está dividida em 31 capítulos, não segue linha cronológica e não se limita a questões de governo. A diversa documentação consultada, correspondências e diários, permitiram a elaboração de um texto que tem Pedro como figura central, e nas divisões dos capítulos, transita por questões estritamente pessoais como a educação e os amores de D. Pedro, como também, a questões públicas do Estado Imperial, como a guerra do Paraguai, o Abolicionismo, a Unidade Territorial e a Sucessão.
José Murilo de Carvalho selecionou diversos excertos que ajudam o leitor a entender de maneira mais aproximada da realidade as questões debatidas no livro. São trechos de cartas e bilhetes, excertos do diário de D. Pedro II, matérias de jornais e charges da época, além de publicações do próprio imperador como as recomendações de governo, elaboradas para sua filha primogênita, a Princesa Isabel, que no caso de continuidade da monarquia seria a herdeira do trono do Império Brasileiro.
O livro também traz várias imagens, ilustrações e fotos, que seguindo o mesmo sentido dos excertos esclarecem e facilitam o entendimento da elaboração, posto que, em todos os casos dialogam com o texto do autor.
No primeiro Capítulo “D. Pedro II e Pedro d´Alcântara” José Murilo de Carvalho já adianta a tendência que será seguida por todo o livro. A admiração pela figura do Imperador e o destaque da habilidade política e intelectual do monarca que teria garantido a Unidade Territorial do país, além de ser o responsável pela elaboração de fatores fundamentais do espírito brasileiro.
Em alguns momentos a defesa do regime imperial, especificamente no que se diz respeito ao governo de D. Pedro II, neste título sugerem uma posição do autor que é questionada por outros intelectuais da área, chegando em alguns casos a chamá-lo de monarquista.
Na página 46 por exemplo, o autor defende a existência do Poder Moderador, instituição que era concentrada na mão do Imperador desde a primeira constituição do Brasil em 1824, e garantia a possibilidade de interferência do Império nos outros poderes pré-estabelecidos pela constituição, como o Executivo, Legislativo e Judiciário.
Apesar de na maioria das vezes ser relacionado à idéia de excesso de poder e autoritarismo, o autor defende na referida página a idéia de que o Poder Moderador através de suas interferências, garantiu a convivência tranqüila, pacífica e civilizada dos partidos, das elites e da sociedade.
Independentemente desta tendência, a elaboração . Pedro II, Ser ou não Ser é uma útil e rica referência da História do Brasil, da História do Império e da História de Dom Pedro II.
Transitando nesta biografia por assuntos públicos e pessoais o autor facilita a compreensão da personalidade deste intelectual, que com apenas 15 anos fora nomeado e reconhecido como imperador do Brasil.
O abandono de seu Pai, a morte de sua mãe e a convivência com figuras ilustres do Império durante sua formação como José Bonifácio são detalhadas no livro. Seu casamento com Teresa Cristina, o nascimento de suas filhas e a decepção das mortes prematuras de seus filhos homens, aproximam os leitores da figura de Pedro a ponto de sentirem-se íntimos amigos do Imperador.
A leitura de suas cartas e bilhetes, seu profundo envolvimento com a tutora de suas filhas Leopoldina e Isabel, a senhora Condessa de Barral, dão em momentos do livro o tom do romance, e a doçura desta eterna paixão.
De um modo bem amarrado, o autor liga acontecimentos da História Mundial com questões do Império. Além da bastante conhecida relação entre o Império Brasileiro e a Coroa Inglesa, José Murilo de Carvalho nos informa e nos permite perceber a magnitude dos acontecimentos mundiais e a interferência destes nas vidas particulares, como por exemplo, a fuga da Condessa de Barral ao Brasil e consequentemente sua maior aproximação ao Imperador, na ocasião da comuna de Paris em 1870. Um levante popular francês que exilou muitos nobres da cidade de Paris.

CAMPO BIBLIOGRÁFICO DO AUTOR DO LIVRO
Como grande parte desta elaboração é composta por reprodução de cartas, as únicas referências que contam são a bibliografia citada pela autora na introdução e em seus comentários. Há bibliografia, no entanto não há debates bibliográficos nem tampouco detalhamento de outras obras acadêmicas.

DADOS DO AVALIADOR
NOME: Diego Luiz Escanhuela
FORMAÇÃO: graduando em História
CAMPO DE ATUAÇÃO
ÁREA PRINCIPAL

São Paulo, 17 de novembro de 2008.
Autor do Parecer:
Diego Luiz Escanhuela

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: